Páginas

08 junho, 2014

Caminhos cruzados

refiz meu caminho pra ver de onde vim
encontro-me aqui e quem me trouxe?
Nos vinte e tantos outonos que me formam
jamais outrora amei tanto ser lembrado

é egoísmo, eu sei, é mais que isso, meu bem
uma infinita preguiça do tempo que vem
do meu lado, não corre ninguém, porque?
Não sei ao certo quando tornei-me
um temerário de minha própria imagem

O que sentes quando te olhas?
quando fita-te o próprio rosto
e percebes no abismo desta íris
os vãos que se formam entre os passos
os dias que se vão em descaso
encontros que se fazem por acaso

a chuva tardia abafa os dias
congelam as horas do clima cinza
É por querer que assim fica?
quem sabe no amanhã esse talvez
se faça presente nas esquinas da vida

2 comentários:

incerto certo disse...

O quanto forcei me irromper em minhas limitações para te encontrar, esbarrar, te amar, apenas te olhar

O fruto e a chuva nunca foram os motivos de minhas permanências,
eram apenas a fuga das aparências

Quantas vezes me joguei ao forçado ócio, para te projetar como delírio sóbrio

A quanto tempo, mas tanto, que busquei construir a ponte sob o abismo, quantos casos que fiz de acasos, não veio deste inverno nem do outono, tantas estações, tantas ilusões

quantas chuvas, quantas frutas e quantos rabiscos te escondi

Forcei-me sem medo, cansada do meu erro, de querer amar sem desespero

Quantas vezes me encontrei ouvindo a mesma música incansável, louca por seu afago, sempre instável

incerto certo disse...


Caminho nas utopias que persistem em costurar os abismos com frágeis e tênues fios

e o que ficou? os abismos? os abismos... não, os fios.

os passos anacrônicos, fétidos, incertos

Extraviada, e amando a dúvida olho para o espelho
e por diversas vezes vejo meu eu afogadx
Reduzida a inação, aos desvios, as cotidianidades que me afasta dos passos, dos fios

Persisto em olhar e me encontro no fundo de minhas pupilas tendo espasmos de indignação
Que respinga todas as faces débeis, rechaçadas, dos mares de semi mortxs

Do expurgo virulento que vibra como onda quando sei que entra em consonância com outrx afagadx, dxs que se rebelam


Como toda caminhada, outros passos virão, o desejo de emancipação permanece e persiste, eu te persisto e insisto

Postar um comentário

 
 
Copyright © Navios Naufragados
Blogger Theme by BloggerThemes Design by Diovo.com